Epifania da imperfeição

Por Álvaro André Zeini Cruz

whiplash2Whiplash – Em busca da perfeição (Whiplash, EUA, 2014) é um filme burocrático desde o roteiro: a trama entre mestre e aprendiz nada acresce ao gênero – o professor (Terence Fletcher, interpretado por J. K. Simmons) esbraveja, o garoto (Andrew, Miles Teller) titubeia, mas, desafiado, segue adiante. O que há de mais interessante na performance de Simmons, indicado ao Oscar de melhor coadjuvante, é que ele justamente joga contra esse script: a trama bem que tenta se encaminhar para a velha história do mentor tirano que humilha e espezinha em busca do talento, da arte, mas Simmons não faz esse personagem e, pelo contrário, apara ao máximo qualquer nuance, deixando-o o mais próximo possível de um puro exemplar de “son of a bitch”. Esta é sua grande sacada. Pois a verdade é que o que se estabelece entre os dois personagens não é uma relação de aprendizado, mas um jogo de poder. A direção, que também vive de certa burocracia (o risco está na montagem!), compreende isso melhor do que o roteiro: na cena do primeiro ensaio de Andrew sob o comando de Fletcher, a câmera dá o devido peso à mão – instrumento de trabalho e de tortura – do regente; faz um travelling circular, contrapondo-a aos alunos, que entram em foco, à mercê daquele braço que tudo pode. Por fim, a mão soberana volta ao foco. Poder. É disso que trata o cerne do filme.

Porém há algo de periférico, mas mais pulsante do que essa disputa de poder em Whiplash: são as duas ou três cenas em que Andrew vive seu breve romance. Na primeira, ele troca algumas palavras com a balconista do cinema; seu olhar, no entanto, só se detém sobre a moça quando não é mais visto, não estão mais frente a frente. Adiante, vem o convite meio desajeitado para sair. Em uma pizzaria pouco apropriada, a moça lembra que, da primeira vez que o viu, Andrew não tirava os olhos do chão. “Meu pai diz que eu tenho problemas em estabelecer contato visual”, ele se defende. É o primeiro e único encontro; no seguinte, ele a dispensa, afinal, não há espaço para o amor (essa coisa meio torta) na vida de alguém que aspira a perfeição.

Andrew, que durante todo o filme busca a perfeição para sentir-se especial, desdenha a possibilidade de ser especial para alguém que não lhe cobra qualquer pré-requisito. Essa epifania se dá numa difícil conversa ao telefone: ele a convida para sua apresentação, aquela em que se prenuncia a batalha final com o professor, mas ela responde simplesmente que o novo namorado não gosta de jazz. O baque é duplo: há pessoas que não se importam com o que ele faz e a pessoa com quem ele gostaria de estar está com uma dessas pessoas! O passaporte para ser inserir como uma presença notável no mundo se dá, para Andrew, da mesma forma que para sua geração: através do talento e do esforço. Contudo, tal crença desmorona quando esse adolescente terminal descobre que ter importância para alguém pode ser algo mais simples, natural. Mas é tarde; a ânsia pela admiração do círculo adulto, representado pelo pai e pelo professor, fez com que ele perdesse o frescor. Resta ir adiante.

Ao final, a revanche se realiza, o talento aflora, mas não é bem algo bonito de se ver, por ser calculado demais, antinatural, triste. A admiração surge nos olhos do professor e do pai, mas, na plateia, a multidão é um corpo único, indistinguível, em que o rosto da garota do cinema não se ilumina (se é que ela está lá). Andrew se torna especial para uma porção de desconhecidos; ótimo, bem-vindo ao mundo dos adultos, já pode voltar ao trabalho. A superação se completa, mas é quase que trágica. O processo é mais interessante: esse titubear ao se colocar no mundo, enfrentamento inevitável na transição da adolescência para a fase adulta, é o que há de mais potente no filme. Dar conta disso é trabalho árduo de Miles Teller, cujo metrônomo oscila da sutileza (mas nunca do minimalismo) dos olhares fugidios às explosões com as baquetas em punho, sobre a bateria. Isso faz com que Whiplash seja um filme muito mais dele do que de J. K. Simmons.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s