O fantástico mundo de Donnie Darko

Por Marcella Grecco

donnie-darko2

Já é de madrugada quando Donnie (Jake Gyllenhaal), sonâmbulo em um campo de golfe, escuta de um coelho com quase 2 metros de altura a seguinte informação: 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos; esse é o tempo para o fim do mundo. Ao voltar para casa pela manhã, pois dormira a céu aberto, Donnie encontra seu quarto destruído devido à queda de uma turbina de avião. Apesar de ter fugido da morte, seus dias estão contados e o coelho Frank não o deixa esquecer.

Donnie se sente desencaixado da realidade em que vive, sentimento esse que o faz se fechar em um mundo só seu. Os amigos são imaginários e habituou-se a ler e a desenhar para passar o tempo. De ritmo lento para quem o vê, em sua cabeça correm centenas de ideias e a cada passo a realidade diante de seus olhos é reformulada pelas descargas de imaginação. Seu novo amigo, o assustador coelho Frank, de aparência nada amigável, obriga-o a cumprir ordens e a segui-lo até o futuro. Em 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos o mundo de Donnie irá acabar e, até lá, ele deve obedecer a Frank.

A primeira ordem de Frank é inundar a escola onde Donnie estuda. À noite, sonâmbulo, Donnie quebra com um machado o registro de água principal e pela manhã é informado que não haverá aula por conta da quantidade de água nas salas. Em outra ocasião, Frank obriga Donnie a incendiar a casa de um escritor de livros de autoajuda que costumava dar palestras no colégio. Eis que, após o incêndio, descobrem que o alegre autor costuma produzir pornografia infantil em seu porão.

Durante 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos, Donnie faz coisas que nunca imaginara que poderia fazer. Por exemplo, ele desafia uma professora em sala de aula, questionando seu método de ensino que consistia em dividir a vida em dois sentimentos básicos, medo e amor. Donnie também discute e humilha o escritor de autoajuda durante uma palestra no colégio – o mesmo que teria posteriormente a casa incendiada. Além disso, começa a namorar uma garota problemática como ele, Gretchen, e, fingindo masturbar-se durante uma sessão de hipnose, provoca a terapeuta que em nada o ajuda. Por fim, Donnie toma coragem para falar com a “vovó morte”, uma estranha senhora que há anos faz todo dia a mesma coisa.

O fato é que Donnie descobriu que a “vovó morte” escreveu um livro ainda jovem sobre viagem no tempo. Suas alucinações o levam a crer que pode prever o futuro, já que passa a ver um plasma saindo do peito das pessoas indicando para onde vão antes delas saberem o que irão fazer. Donnie decide conversar com a “vovó morte” sobre o assunto na noite de Halloween, mas, ao entrar na casa da senhora, um imprevisto acontece e acaba provocando a morte de Gretchen, atropelada por um garoto chamado Frank, vestido exatamente como o coelho de suas alucinações. Donnie realiza sua última vontade e atira em Frank, voltando para casa a tempo de completar os 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos, quando então morre devido à queda de uma turbina de avião.

Donnie Darko (Donnie Darko, EUA, 2001) é um filme difícil de decifrar e muito provavelmente não foi feito para tanto. É uma experiência audiovisual bastante particular aberta a diversas interpretações. Uma impressão que fica é que, de alguma forma, sabendo que iria morrer em 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos, Donnie imagina o coelho Frank como artifício que o obrigue a efetuar o que gostaria de fazer em vida e que lhe dê coragem de realizar certas coisas antes da hora da morte. Donnie tem muita imaginação e cria todo esse espetáculo com queda de turbina, viagem no tempo e amigos imaginários para que a sua morte não seja em vão.

Interessante pensar que a primeira aparição de Frank é em um campo de golfe, não por acaso, repleto de buracos. O coelho imaginado por Donnie não é nada gracioso, pelo contrário, é enorme, tem uma face metálica distorcida e dentes afiados. Do convite para o futuro, Donnie o segue, mas até onde descer na toca do coelho? Ao que tudo indica, a descida foi proveitosa, pois antes de morrer, já em sua cama depois de 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos, Donnie gargalha sozinho à espera da turbina de avião.

Mas teriam mesmo passado 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos? Depois da morte de Frank algumas cenas são rebobinadas e terminam em um clarão. Vemos então Donnie em sua cama esperando pela turbina, mas a cena da queda é exatamente a mesma no começo e no fim do filme o que causa confusão – já que os pais de Donnie não estão em casa na segunda ocasião e sua irmã estava dormindo e não voltando de um encontro como vemos nos últimos minutos do filme. Teria tudo realmente acontecido ou Donnie imaginara em sua cama, à espera da morte?

O filme tem uma atmosfera de fábula pois a fotografia é meio esfumaçada e sem brilho, como imagens de um livro antigo. Além disso, vez ou outra surge um aviso na tela indicando quanto falta para o fim do mundo com letras ao estilo medieval ou celta, como aquelas que vemos em filmes de contos de fada ou de aventuras em reinos medievais. Parece que, Donnie Darko, sabendo da morte próxima, cria em sua cama uma épica aventura até o fim e, fazendo jus ao sobrenome, Darko, a aventura é um tanto quanto “dark”, merecedora de ocupar posição de destaque em qualquer antologia de contos fantásticos.

Anúncios